Pular para o conteúdo principal

Os brasileiros por trás do projeto que busca ‘outras Terras’


Concepção artística mostra descobertas planetárias feitas pelo telescópio espacial Kepler da Nasa (W. Stenzel/Nasa)

Trabalhando com europeus, Brasil terá acesso a dados exclusivos e ajudará na missão de encontrar outros locais habitáveis, e até vida fora da Terra

Cientistas brasileiros foram convocados para uma nova e importante missão espacial: ajudar pesquisadores da Europa na caça a novos planetas habitáveis fora do sistema solar – e, eventualmente, de vida extraterrestre também. Em 17 de junho, a Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) aprovou um projeto de quase um bilhão de euros (3,7 bilhões de reais) para construir um novo observatório espacial, bem maior e mais moderno do que seus antecessores. A missão Plato (sigla em inglês para Planetary Transits and Oscillations of stars) vai tentar descobrir quão comuns são os planetas parecidos com a Terra espaço a fora e se o sistema solar é único no cosmo.

Para tornar essa missão realidade, a ESA convidou cientistas de pelo menos oito dos principais centros de pesquisa brasileiros (seis públicos e dois privados) espalhados pelos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Norte e Paraná. Ao todo, o Brasil mobilizará 60 pesquisadores – destes, 20 cientistas, 15 engenheiros e os demais alunos de pós-graduação. Pelos próximos 10 anos, as equipes trabalharão desenvolvendo softwares, testando equipamentos e, inclusive, construindo partes do observatório.

“O Plato é o segundo satélite que o Brasil participa em colaboração com a Europa”, afirma o astrofísico Eduardo Janot Pacheco, professor do Instituto de Astronomia e Geofísica (IAG) da Universidade de São Paulo (USP) e presidente do Comitê Plato Brasil. O primeiro, segundo ele, foi o francês Corot, que atuou entre 2006 e 2012. “Mas [o Plato] é uma versão dez vezes maior e melhor.”

Brasil
Segundo Janot, o financiamento do projeto será totalmente europeu. “Não vamos contribuir com dinheiro, mas vamos oferecer trabalho, o que representa uma grande oportunidade de ter contato e aprender com centros de excelência na Europa”, opina. O Brasil terá acesso, segundo ele, a dados exclusivos e de precisão sem precedentes.

Janot diz que os cientistas brasileiros vão colaborar em duas áreas principais: engenharia e ciência. Na primeira, pesquisadores do Instituto Mauá de Tecnologia, em Santo André (SP), e da Escola Politécnica (Poli) da USP vão desenvolver parte do software que será usado para operar o observatório. No Instituto Mauá, também será construído um pedaço do observatório. Além disso, essas instituições vão replicar algumas das peças do satélite para testar aqui na Terra e usar de reserva caso algum defeito seja identificado nas originais, função que Janot considera “essencial e importantíssima”.

Já na área científica, os cientistas brasileiros vão trabalhar analisando dados, identificando exoplanetas (planetas fora do sistema solar) e suas características, como massa e composição, e as particularidades da estrela que orbitam. Para que um planeta possa abrigar vida, os cientistas consideram que ele precisa ser rochoso e orbitar sua estrela-mãe dentro de sua “zona habitável”, ou seja, a uma distância suficiente para ter água líquida na superfície.

Além da USP e do Instituto Mauá, estarão envolvidas no projeto a Universidade Estadual Paulista (UNESP) e a Universidade Presbiteriana Mackenzie, do Estado de São Paulo, a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e a Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), no Paraná.

Missão Plato

O novo observatório da ESA contará com 26 telescópios de 12 centímetros de diâmetro cada, que ficarão em constante busca por planetas com a massa semelhante à da Terra e também super-terras (planetas de massas entre duas a dez vezes a da Terra) que estejam na “zona habitável” das estrelas. A sonda vai analisar aproximadamente um milhão de estrelas, monitorando 50% do espaço de forma contínua.

“O Plato identifica os planetas ao observar o pequeno eclipse que eles formam ao passar na frente da estrela”, diz Janot. “Depois, fazendo análises, é possível determinar sua massa e as condições em que se encontra – se é rochoso, gasoso, onde ele está no espaço, entre outras coisas.”

Com lançamento previsto para 2026, o Plato se juntará ao observatório Kepler, da Nasa, na busca de planetas fora do sistema solar. O telescópio espacial americano encontrou, até agora, mais de 2.300 exoplanetas confirmados. Destes, 30 têm menos do dobro do tamanho da Terra e estão na “zona habitável”.

FONTE: REVISTA VEJA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…